PT ES

Blog

12 de março de 2019
Os 4 principais erros das empresas na utilização do EPITempo de leitura: 2 min

O novo Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) exige detalhes sobre o Equipamento de Segurança Individual (EPI) fornecido. Essa mudança fez com que algumas empresas ficassem mais atentas quanto ao uso dos equipamentos obrigatórios, mas alguns equívocos seguem ocorrendo.

Por isso, a JGB elencou os 4 principais erros cometidos pelas organizações. Se você é um colaborador que faz uso de EPI ou lidera alguma empresa de fornecimento, acompanhe este post.

Fornecer luvas no tamanho errado

Luvas com folgas são exemplo do riscos que se assumem ao não se atentar aos detalhes. Se ela está grande demais para o funcionário, o tato dele ficará prejudicado, aumentando o risco de queda de objetos pesados durante o manuseio, podendo, inclusive, cair sobre o pé ou em cima de algum bem material da empresa.

Além disso, se o empregado realiza atividades em frente a máquinas, a luva pode escapar da mão e ocasionar um acidente grave. Alguns casos de amputação de membros já aconteceram provocados pelo tamanho inadequado das luvas. É preciso estar atento às medidas adequadas.

Comprar EPI sem CA

O Certificado de Aprovação (CA) é a única garantia de que o EPI está adequado para uso após testes de qualidade. É o que comprova também que o equipamento está registrado junto ao Ministério do Trabalho e Emprego do Brasil.

De acordo com a Norma Regulamentadora 6 (NR-6), além do empregador ser obrigado a fornecer EPI gratuitamente, diz que os equipamentos só podem ser colocados à venda com a indicação CA tanto para os de fabricação nacional quanto os importados. Não corra riscos descumprindo essa determinação.

Permitir o uso de boné com capacete do EPI

Usar boné, gorro ou outro adereço parecido com o capacete é um erro muito frequente. Isso provoca uma interferência entre o capacete e a cabeça do usuário, o que diminui o efeito atenuador do impacto proporcionado pela carneira (parte interna amortecedora). Por isso, sempre deve ser evitado para assegurar a proteção contra os riscos.

Não conhecer os riscos do ambiente

É fundamental conhecer todos os riscos presentes no ambiente de trabalho. Essa responsabilidade cabe à empresa, que deve avaliar a estrutura do local e fazer o controle sobre a qualidade e condições dos equipamentos para evitar esse tipo de erro.

O objetivo do EPI é salvar vidas e garantir que todo trabalhador faça a sua jornada com segurança. O mau uso dos equipamentos, além de não atender com o propósito ao qual eles se destinam, pode trazer consequências sérias.

Conheça o seu EPI e compre os equipamentos de uma empresa com experiência e consolidação no mercado. Conheça a JGB!

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *